Descubra a Abóbada Imaginária das Constelações

Olhamos para o céu noturno e vemos milhares de pontos de luz. Nossos antepassados conectaram esses pontos e definiram as constelações adornando a abóbada celeste — como um grande teto curvo, com pequenos furos pelos quais a quintessência do além escorre. A visualização do céu número 1 criada por Santiago Ortiz ilustra de forma interativa essa visão do céu que hoje, com toda a poluição luminosa das cidades, dificilmente conseguimos ver.

Agora, a visualização do céu número 2, que você confere clicando na imagem acima, é fantástica. Ela representa a abóbada celeste vista do lado de fora, como uma esfera que nos envolve — você estaria lá no centro. O tamanho dos pontos cinzas é proporcional à magnitude, à intensidade aparente com que as estrelas brilham. As constelações são as ligações entre as estrelas próximas na abóbada celeste que os antigos imaginaram.

E então, no canto inferior esquerdo, clique em “absolute magnitude, actual positions” e prepare-se para um mindf*ck. A visualização passará a representar a verdadeira intensidade com que cada estrela brilha (quanto maior, mais brilhante), bem como a verdadeira posição e distância a que cada estrela se situa de nós. O que era uma esfera, uma abóbada, se torna uma dispersão quase caótica de pontos. E ela representa um espaço muito, muito mais vasto.

Você pode notar como as estrelas mais distantes são as mais luminosas? É por isso que elas aparentam estar tão próximas quanto aquelas mais tênues. E as ligações de pontos que aos nossos antepassados parecia natural porque eles pareciam próximos se revela como uma ilusão. Cada estrela que compõe cada constelação pode estar a muitos anos-luz daquela que parece, vista da Terra, estar logo ao seu lado.

As constelações são construções imaginárias humanas, e muito passageiras, porque a disposição tridimensional das estrelas ainda muda com o tempo — nenhuma estrela está fixa. Você pode entender melhor esta ilusão com a Constelação de Homer Simpson, mas a visualização de Ortiz e a forma interativa como pode alternar entre a esfera imaginária dos antigos e a realidade das verdadeiras distâncias astronômicas e diferenças extraordinárias no brilho das estrelas dá uma noção de como o Universo ao nosso redor pode superar nossa fantasia.

ATUALIZAÇÃO: Riley Davis tem uma outra visualização das constelações de tirar o fôlego! A versão de Davis destaca as Constelações na Eclíptica, aquele tal de Zodíaco. [via Flowing Data]

  • Caos & Ordem site

    Olá com licença senhor, sou um fã do senhor que gostaria de fazer parceria entre nossos sites. Se caso estiver interessado me adicione no MSN: [email protected]

  • Legal, gostei! Mas, qual a conclusão?

    • ceticismoaberto

      Você quer que eu critique a astrologia com base nisso? hehehe
      No post só quis comentar como as visualizações são bacanas.

      • Yuri Ramos Hernandez

        a conclusão é que tudo o que sabemos ou achamos que sabemos não passam de concepções do nosso próprio ponto de vista, assim como sempre foi ou sempre será hahah

  • Marcus

    É o mesmo que dizer que os antigos estavam fantasiando quando usavam o movimento do sol para marcar as horas do dia…

  • Victor Hugo

    Bonitas mesmo ,mas na astrologia, os signos são apenas símbolos para as energias