Kintsukuroi

Kintsugi

kintsukuroi – (s.) “consertar com ouro“; a arte de consertar cerâmica com ouro e laca e compreender que a peça é mais bela por ter sido quebrada

Um pote de cerâmica pode ter uma beleza única. Moldado a partir do barro, da argila, ele é maleável pelas mãos de seu criador até que seja submetido a altas temperaturas, quando então sua própria estrutura molecular se altera permanentemente para que se transforme em uma cerâmica. Como cerâmica, o material se torna cristalino, rígido, e está entre os mais duráveis que conhecemos. Dentre as criações humanas mais antigas já registradas em escavações arqueológicas estão os potes de cerâmica que nossos ancestrais moldaram há dezenas de milhares de anos — antes mesmo de construírem suas primeiras cidades.

Mas se a cerâmica é duradoura, o mesmo não se pode dizer necessariamente do pote. Conta-se uma história de um dos mais destemidos guerreiros japoneses, o senhor feudal Toyotomi Hideyoshi, que recebeu de presente um precioso vaso de seu antigo líder, Tsutsui Junkei. Um dia um pagem deixou o importante pote cair por acidente, quebrando-o em cinco pedaços. Todos ficaram mortificados, temendo pelo garoto uma vez que Hideyoshi era conhecido por sua fúria.

Foi então que um convidado, demonstrando grande desenvoltura, improvisou no momento um poema cômico que em um jogo de palavras unia de uma só vez o nome de Tsutsui, a quebra do vaso e um outro famoso verso sobre a passagem do tempo.

O gracejo do poeta fez com que todos rissem, restaurando o bom-humor de Hideyoshi. Logo o pote quebrado foi restaurado unindo suas partes e passou a ser conhecido como Tsutsui Zutsu, em referência ao poema. Ele continuou sendo usado pela família de Hideyoshi e, séculos depois, o pote com suas quebras e remendos ainda pode ser contemplado.

p090724t(10)

Ao invés de diminuir a beleza da peça, um novo senso de sua vitalidade e resiliência elevaram sua apreciação a novas alturas. O pote tornou-se mais belo por ter sido quebrado.

Houve quem ponderasse que a verdadeira vida do pote começou no momento em que caiu e se quebrou. [via camiimac, Tango Philosophy, drazuli]

  • E.T.

    Todos nós, já mais-ou-menos vividos temos nossas cicatrizes e nem sempre elas foram cingidas com ouro ou laca… As vezes, as marcas são de forjas, são de estanho ou nem ainda estão fechadas. Feliz do homem que, em suas marcas, pode contar suas histórias! Somos, na maioria dos casos, todos vasos remendados pela ação do tempo. Tenho muitas marcas e me lembro, me resigno e me orgulho de todas!

  • Wess

    Postagem fantástica, informativa e divertida. Quem dera mais blogs pudessem ter esse bom senso. =)

  • Pacificador

    Muito bacana essa técnica. Não sabia que o ouro, dava liga para “soldas”. Acreditava que podia ser usado apenas, na manufatura de objetos sólidos, ou como revestimento.