Browsing Category

Cinema & Séries

Crítica Capitão América: Guerra Civil ≈ Cine Verité por Rafaela Gomes

Um soldado endeusado, que transpira o espírito ufanista norte-americano em meio à fragilidade do país durante a Segunda Guerra Mundial. Este é o contexto em que o personagem Capitão América apareceu nos quadrinhos pela primeira vez em dezembro de 1940. Todos os atributos político-sociais norteiam e se entrelaçam com a composição do herói, que protagonizou seu primeiro filme solo em 2011. E este é o problema que nós tínhamos com Capitão América. Um herói quase plastificado, dado à sua perfeição de traços, conduta moral e conceito. Um herói intocável, inalcançável a até mesmo de difícil identificação.

civil_War__0011_11

Mas essa crosta em forma de áurea que cercava o personagem aos poucos se desfez nas telas de cinema e com ela renasceu no público um dos sentimentos mais preciosos: a admiração. E “Capitão América: Guerra Civil” abre as salas de cinema no fim do mês de abril como aquele herói que, à medida que teve sua perfeição desconstruída diante dos olhos da audiência, construiu pontes com este mesmo público, se tornando um dos heróis mais humanos da Marvel Cinematic Universe (MCU), fazendo da sua fragilidade sua maior arma de combate.

civil_War__0008_8

A mais nova adaptação de quadrinhos é forte nesse sentido. Quebrando o ufanismo cansativo e rompendo de uma vez com ritmo do primeiro filme da trilogia, que desagradou muito fãs e teve opiniões polarizadas, o terceiro capítulo da saga do herói americano traz fragmentos de seu segundo filme, aprofundando ainda mais a tenra e admirável amizade entre Steve Rogers (Chris Evans) e Bucky Barnes (Sebastian Stan).

civil_War__0006_6

A trama mais do que nunca torna claro que seu verdadeiro calcanhar de Aquiles é e sempre será seu tumultuado relacionamento com o antagonista, que vive uma eterna briga com sua mente. Expondo ainda mais a fragilidade desse herói, entra em cena o debate ideológico que traz à mesa questões morais e de honra, deixando bem claro que a linha que separa o certo do errado é mais tênue que pensávamos ser.

civil_War__0007_7

Por ousar em ir nesse aspecto, a Marvel ganha pontos. O grande “problema” nesse sentido é justamente o pouco aprofundamento nessas questões morais durante boa parte da produção. Em certos momentos do filme somos pegos avaliando mentalmente se de fato as motivações ideológicas de ambos os lados são realmente tão impactantes a ponto de justificar o embate corpo-a-corpo. Essa interrogativa nos acompanha por toda a primeira metade do filme, nos deixando com a amarga sensação de que o roteiro não vai desenvolver isso.

civil_War__0003_3

Mas, como um estúdio que não dá ponto sem nó em seu universo, somos surpreendidos por um clímax que repara o tal “problema”. Com um viés quase puxado para o plot twist, o filme atinge o nível de profundidade que ansiávamos no princípio, colocando Tony Stark (Robert Downey Jr.) no foco central da famosa Guerra Civil, mudando a motivação do campo ideológico para o campo emocional, mesclando com traumas de infância, ego e sombras do passado. E neste exato momento o elo que liga os protagonistas ao público se fortalece, permitindo que o sentimento de identificação permeie entre todo o público e para todos os personagens, de um jeito ou de outro.

civil_War__0004_4

Para não fugir à regra das produções da Marvel, o roteiro é permeado pelas clássicas sacadinhas cômicas e frases de efeito que rompem com a tensão entre as cenas de luta e as partes mais dramáticas entre os principais protagonistas. Com exceção de alguns momentos, em que a falta de timing traz piadas desnecessárias que se perdem entre risos abafados pelo despropósito em cortar a tensão da cena em questão, os desconhecidos roteiristas Christopher Markus e Stephen McFeely acertam na mão, trazendo um bom equilíbrio para o filme.

civil_War__0000_0

E por falar em equilíbrio, o MCU nunca esteve tão bem amarrado e delineado e a parceria entre o estúdio e a Sony Pictures não apenas funcionou incrivelmente bem como também se encaixou dentro da trama com precisão. É claro, estou falando do Amigo-Da-Vizinhança, que pela terceira vez faz sua estreia nos cinemas. A diferença é que o trabalho em equipe entre concorrentes e o desejo em recriar o personagem mais popular dos quadrinhos da Marvel com fidelidade nos presenteou com aquele que – ouso dizer – promete ser o melhor Homem-Aranha já adaptado para o cinema.

civil_War__0001_1

Tom Holland não apenas foi a cartada certa de ambos os estúdios, como a composição conceitual do personagem é impecável. Com atributos genuinamente adolescentes, Peter Parker é introduzido ao universo bem construído como aquele garoto vislumbrado e facilmente impressionado, com certa imaturidade comum à idade, que fascina a audiência em cada diálogo extensamente explanado. Para ajudar a compor a grade de aparições, “Capitão América: Guerra Civil” ainda nos introduz à origem de Pantera Negra, vivido por Chadwick Boseman, que ao lado de Spidey rouba a cena em diversos momentos, nos distraindo do próprio personagem homônimo e ‘dono’ da história.

civil_War__0010_10

Com cenas de ação que se assemelham a takes de videogame, o filme encanta pela grandeza nas lutas, lindamente coreografadas e filmadas em uma rapidez alucinante aos olhos. O estúdio teve o cuidado em trabalhar a estética dos conflitos corporais com efeitos poderosos e movimentos acrobáticos surpreendentes, nos entregando em uma bandeja um banquete quase insaciável tamanho nosso apetite. “Capitão América: Guerra Civil” se assume também como uma produção cíclica, que de maneira sutil apresenta o novo à medida que nos dá leves ares de despedida, com a possibilidade de – em um futuro não tão distante – não desfrutarmos mais da presença carismática dos atores Robert Downey Jr. e Chris Evans em seus tão aclamados heróis.

Queremos saber o que achou do filme, responda nossa enquete:

Batman – A Piada Mortal ≈ Veja o trailer da animação proibida para menores

Escrito por Alan Moore e desenhada por Brian Bolland, ‘Batman: A Piada Mortal‘ é considerada como uma das melhores histórias em quadrinhos de todos os tempos. E incentivados a criar um filme o mais fiel possível aos quadrinhos, independente da classificação indicativa, o time da Warner criou uma animação imperdível. Só que apenas pra maiores de 18 anos. Confira:

Entenda a Guerra Civil dos quadrinhos em 4 minutos

Estamos cada vez mais perto de assistir Capitão América: Guerra Civil, que estréia no dia 28 deste mês, mas você conhece a saga original dos quadrinhos? A Guerra Civil aconteceu em todas as revistas Marvel entre os anos 2006/2007, então mesmo para os leitores mais assíduos não seria estranho perder um pedaço ou outro da história na época.

Pensando nisso, um fã chamado Noah Sterling criou este video explicando a saga da maneira mais resumida possível pra que você possa se preparar pra estréia do filme nas telonas. E nós, com a ajuda do mvpetri, traduzimos ele pra vocês. confiram:

Curiosamente enquanto editava este post, recebi uma dica do canal Cangaia Nerd também sobre a saga Civil War dos quadrinhos.

O vídeo deles é maior, quase 18 minutos, então se você quiser uma explicação mais detalhada pode conferir abaixo.

Crítica Batman vs Superman: A Origem da Justiça ≈ Cine Verité por Rafaela Gomes

Essa cena já se repetiu consecutivamente na mente de muitos, assim como na minha. Você a vê, revê, analisa outra vez e se permite ser levado pelo único fragmento contínuo que garante fundamento para visualizar esse momento na cabeça: as páginas da clássica graphic novel “O Cavaleiro das Trevas”. O entrave emblemático entre Batman e Superman foi, primeiramente, desenhado ali, pelas mãos de Frank Miller. E uma vez nas mãos do leitor, ele ganhou vida para além das páginas, se delineando dentro do imaginário de qualquer apaixonado por histórias em quadrinhos. Mas ganhar vida nas telas foi muito mais complexo. Mesmo com as versões animadas que acalentam o coração de quem sempre pincelou essa luta mentalmente, apenas um embate de carne e osso supriria as necessidades das crianças e adolescentes das décadas anteriores. Hoje, testemunhas da passagem do seu próprio tempo, elas contemplam o desenrolar de uma história que, ainda que acompanhe a “velhice” de seus leitores, nunca foi tão jovem e atual, na adaptação intitulada “Batman vs Superman: A Origem da Justiça”. 

Efeitos especiais de Deadpool mostram que hollywood ja poderia fazer filmes sem atores

O VFX Breakdown do Deadpool mostra como foi incrível o trabalho efeitos especiais do filme, principalmente em cenas de ação.

Depois desse vídeo podemos perceber que, cada vez mais, os dublês estão sendo substituídos por cgi e que não estão muito longe de serem capazes de fazer filmes sem sequer ter que filmar os atores de carne e osso. Confira: