Dúvida Razoável

Ateus

10 mai 2011 | por em Dúvida Razoável, Polêmica às 22:53

religião discussão deus ateísmo  Ateus

“– Mas você está usando a mesma tática para se sentir superior a mim!
“– Desculpe, essa acusação só pode ser usada uma vez por discussão“. [xkcd]

65 Comentários

Legendas do @BuleVoador da Liga Humanista Secular do Brasil. Confira também as partes 1: A Fronteira estava em toda parte e 2: A vida procura pela vida

45 Comentários

Vasto Ponto Azul

13 abr 2011 | por em Dúvida Razoável às 14:54

yuri gagarin tecnologia espaço ciência  Vasto Ponto Azul

yuri gagarin tecnologia espaço ciência  Vasto Ponto Azul

Há cinco décadas um de nós deu um salto jamais dado, e orbitou por pouco mais de uma hora, a centenas de quilômetros de altitude, a todos nós, com nossos conflitos e vitórias, ou como Carl Sagan diria, “o agregado de nossa alegria e nosso sofrimento”. Yuri Gagarin foi o primeiro de nós a ter um vislumbre do pálido ponto azul, que a centenas de quilômetros ainda surge como uma vasta abóbada, mas uma vasta abóbada azul. “A Terra é azul. Que maravilhoso!”, exclamou para o controle da missão. Gagarin vislumbrou uma perspectiva numinosa, que inspira profunda humildade, fascinação e admiração.

Somados ao longo de toda uma vida, cruzamos com nossos próprios pés milhares de quilômetros de distância percorrendo a superfície deste planeta. Poderíamos dar mais de uma volta através do globo, mas andamos em círculos pequenos, não raro em torno da pequena região próxima onde nascemos. Se apenas pudéssemos traçar estes passos não apenas cruzando o mundo, como em direção ao espaço infinito, é novamente assombroso como bastam algumas centenas de quilômetros para ver a Terra azul, sem fronteiras retilíneas, apenas uma vasta planície que se curva no horizonte, marcada quando muito por rios e oceanos, montanhas e vales, e coberta por uma camada de nuvens brancas sempre mutante, composta da mesma substância que responde por toda a vida que conhecemos e que escorre de nossos olhos quando sentimos nossas mais fortes emoções.

O primeiro homem no espaço foi chamado de cosmonauta, em contrapartida aos astronautas americanos, ou mesmo aos taikonautas chineses. São todos seres humanos, são todos pessoas que deixaram aqueles que amavam abaixo e tiveram medo de nunca mais voltar. Somos nós. Se a tecnologia que lançou Gagarin ao espaço foi a mesma que é capaz de lançar ogivas atômicas que transformariam a cor de todo o planeta em um cinza nuclear, há algum conforto e motivo para celebrar que não tenhamos pintado o ponto em que vivemos de cinza, e neste exato momento haja seis seres humanos orbitando a todos nós.

Seis seres humanos no espaço, incluindo russos e americanos, em uma estação espacial resultado da colaboração contínua de inúmeros países representando centenas de milhões de pessoas em cooperação. Como Gagarin, os tripulantes da Estação Espacial Internacional vêem o planeta azul, e diferente de Gagarin podem partilhar sua emoção, e algo de sua visão, em tempo real.

yuri gagarin tecnologia espaço ciência  Vasto Ponto Azul

Algum dia, um de nós deixará o planeta sem medo de nunca mais voltar, porque estará indo viver uma aventura fantástica ao encontro daqueles que ama em um lugar muito mais distante do berço azul onde nascemos. Algum dia, um ponto a milhões de quilômetros de distância, seja ele de que cor for, será o berço de muitas pessoas, que ainda assim serão como nós. Porque seremos nós.

Encaramos desafios imensos, mas somos capazes de façanhas incríveis. Vivemos em maravilhoso berço azul, vasto porque ainda somos infantes, mas ínfimo perto do infinito que podemos explorar. Yuri Gagarin o viu primeiro.

- – -

Confira o áudio de Gagarin na Vostok-1 com imagens em First Orbit – the movie completo acima.

[Imagem inicial: Gagarin e Laika, Tebe-interesno, via Lissa. First Orbit via Brainstorm#9, e comentário de Matheus Amorim]

16 Comentários

É uma história que se perde na origem das próprias latas de refrigerante modernas: junte 1.000 anéis e ajude um hospital a trocá-los por uma cadeira de rodas. Como não fazer esse pequeno gesto? A lenda circula não só no Brasil, mesmo nos EUA muitas pessoas acabam juntando quilos e mais quilos de anéis, para apenas então se perguntar… aonde eles seriam trocados?

A verdade é que os lacres em si mesmos não têm valor especial. A ABAL (Associação das Indústrias de Alumínio do Brasil) já se cansou de responder que a história é uma lenda.

Agora o Guaraná Antártica teve uma ideia bem bacana: vão trocar cadeiras de rodas por 1.000… cliques em “gostei” no vídeo que esclarece que a história é uma lenda!

Com isso você ajuda a acabar com mais uma superstição urbana correndo por aí — e uma que ao final atrapalha, já que os anéis são melhor reciclados quando estão juntos com as latas. Isso mesmo, facilita o processo, e a lata de refrigerante moderna com o lacre que continua preso é em si mesma um feito fantástico de engenharia. Mas esta é outra história!

Por enquanto você pode ajudar a doar cadeiras de rodas e evitar que mais pessoas juntem montanhas de lacres para apenas então descobrir que não têm aonde trocá-los. Gostou? Clique aqui no vídeo, aperte no botão “Gostei” e transforme seu anel de latinha virtual em algo bem real, sem lenda alguma!

23 Comentários

simulador flash ciência astronomia  Navegue pelo Sistema Solar com seu navegador!

Solar System Scope é um planetário online que abre em seu navegador, sem precisar instalar nada e simplesmente espetacular: tridimensional, de navegação intuitiva incluindo a scroll wheel de seu mouse. Na barra inferior está o controle de tempo, e você pode selecionar datas ou avançar e retroceder o tempo, vendo os planetas girando loucamente.

Na barra esquerda estão as opções mais avançadas, permitindo transformar a visão para um modelo geocêntrico ou uma visão panorâmica, exibindo melhor o zodíaco e o movimento retrógrado. Você também pode ajustar a escala dos planetas e suas órbitas — na visão inicial, os planetas são exibidos muito maiores do que realmente são, e as órbitas muito mais próximos do que descrevem. Na escala real é fabuloso, e como dizia Carl Sagan, um exercício de humildade ver como são pontos minúsculos em um vasto espaço de órbitas distantes e imensas. Também se pode ativar a visão de constelações, ou as estrelas como pontos brilhantes no céu, entre muito mais.

Há literalmente uma infinidade de descobertas e conhecimentos envolvidos nesta simulação de nosso sistema solar, e é fantástico poder brincar e simular algo que repesenta um esforço de milhares de anos por compreender as luzes no céu.

E mesmo este é apenas um modelo, uma simplificação da realidade: você sabia que a órbita de Plutão, por exemplo, e por decorrência a de todo o sistema solar é a longo prazo caótica? Mas esta já é outra história, para outra coluna. Por ora, que este planetário digital executado em Flash represente algo da ciência que liga a vastidão dos céus às proezas de nossas mentes, e vice-versa. [via Amazing.es]

9 Comentários

Legendas do Bule Voador — confira também o primeiro capítulo: A Fronteira estava em Toda Parte.

19 Comentários

sequestro resenha psicologia livro abuso  3096 dias: por trás de um sequestro

“A impresionante história da garota que ficou em cativeiro durante oito anos, em um dos sequestros mais longos de que se tem história”. Esta é a frase que está na capa do livro, mas o livro nos mostra uma realidade muito diferente da que imaginamos e que vemos nos jornais. É a história de um pobre coitado que não conseguia se ajustar à sociedade e uma pobre coitada que acabou sendo sua vítima.

Quando Natascha Kampusch foi sequestrada, ela era uma gordinha tímida de 10 anos que estava a caminho da escola. Mas ela não vivia num conto de fadas: ela não tinha muitos amigos, não se sentia à vontade no condomínio em que morava, seus pais estavam separados com muitas brigas e ela já não se dava muito bem com seu pai. Não quero dizer que o sequestro foi uma coisa boa pra ela – não foi. Mas ainda que ela chorasse muito e sentisse falta da mãe, esses conflitos podem ter sido o que a manteve sã nos primeiros dias de cativeiro.

“…ninguém no mundo exterior acreditaria que uma vítima de sequestro pudesse se sentar com seu sequestrador para jogar ludo. Mas o mundo exterior não era mais meu mundo. (…) E havia apenas uma pessoa que podia me tirar da solidão opressiva – a mesma que criara aquela solidão pra mim.”

Continue lendo no Psicológico: 3096 dias: por trás de um sequestro

8 Comentários

quadrinhos meme carl sagan  Pálido Ponto Azul em Memes

Não entendeu? Confira a narração original de Carl Sagan.

18 Comentários

Trecho da narração de Carl Sagan para Cosmos, renovada com uma série de cenas de tirar o fôlego.

Legendas do Bule Voador.

15 Comentários

 Quando você perceber...

Bem, não é difícil perceber com a seta vermelha gigante. Mas você ainda expelirá tijolos. Bônus:

98 Comentários

vídeos truques ilusão ótica escher CGI  Uma cachoeira impossível

Representação de uma cena impossível, a litografia “Cachoeira“, de MC Escher, foi transformada em realidade — ou pelo menos, a “realidade” que podemos ver pelo Youtube.

O que você acha? Pensei primeiro que poderia ser uma excelente ilusão de perspectiva, como a série Escher for Real ou a ilusão das esferas subindo a rampa.

Mas assistindo ao vídeo em alta resolução, as sombras e reflexos, suspeito que seja em verdade outra obra sensacional de computação gráfica. Sensacional.

67 Comentários

vídeos teoria de jogos filmes dúvida razoável comédia ciência  A cantada, o ditador e os prodígios de lógica

Harry: “Um homem não pode dizer que uma mulher é atraente sem isso ser uma cantada?”
Harry: “…Que quer que eu faça? Retiro o que disse, OK? Retiro”.
Sally: “Não pode retirar”.
Harry: “Por que não?”
Sally: “Porque já foi dito”.
Harry: “O que devemos fazer? Chamar a polícia? ‘Já foi dito!’”.

Dizer “empiricamente, você é atraente” pode não ser a melhor das cantadas, mas é uma cantada. E Sally não gostou do avanço porque Harry ainda estava saindo com Amanda, sua amiga. Por mais que ele tentasse retirar o que foi dito, bem, já foi dito. Nem chamar a polícia adiantaria.

Hipoteticamente, se Harry começasse a contar que gosta de fotografia e comentasse casualmente que Sally deveria ser muito fotogênica, as situações embaraçosas que compõem toda a comédia romântica de “Harry e Sally” (1989) poderiam ser evitadas. O que leva a um paradoxo aparente: seja dizendo direta e enfaticamente que acha Sally atraente, seja comentando casualmente algo sobre a simetria do rosto de Sally ou a iluminação incidindo sobre sua pele, a informação trocada parece a rigor a mesma. E mesmo no segundo caso hipotético, tanto Sally quanto Harry saberiam da mesma forma que Harry estava passando uma cantada.

Em um fabuloso RSAnimate, uma série de animações da RSA, Steven Pinker explica como o paradoxo se relaciona com os conceitos de conhecimento individual e mútuo usados na Teoria de Jogos.

Continue lendo: A cantada, o ditador e os prodígios de lógica

6 Comentários

 Mergulhe em um fractal (via Google Maps)

Você já deve ter ouvido falar em fractais, principalmente algo sobre sua auto-similaridade: mergulhe em uma parte de um fractal, até encontrar uma imagem similar ao fractal inteiro. É algo fascinante, tão fascinante quanto observar um Homer, atravessar o Universo e descobrir outro Homer Simpson. De relâmpagos a raízes de árvores, fractais foram ilustrados inicialmente através das entranhas infinitamente detalhadas de uma praia.

Pelo que é uma surpresa que só agora tenham usado a interface do Google Maps para permitir que você navegue por alguns dos mais famosos fractais, do conjunto de Mandelbrot ao de Julia. Basta selecionar no menu acima, à direita, escolhendo também uma paleta de cores, e ir mergulhando cada vez mais fundo usando a scrollwheel ou o menu à esquerda.

É uma complexidade sem fim, e quem sabe você ainda encontre um Homer Simpson bem lá no fundo. Uôoou. [via Misterhonk]

2 Comentários

professor histórias ensino ciência ceticismo  O melhor professor que já tive

O senhor Whitson ensinava ciências para a 6ª série. No primeiro dia de aula ele nos falou sobre uma criatura chamada cattywampus, um animal noturno extinto durante a Era do Gelo. Ele passou para os alunos um crânio enquanto falava. Todos nós fizemos anotações e depois respondemos a um teste sobre a aula.

Quando recebi a prova corrigida fiquei surpreso. Havia um grande e vermelho X em todas as minhas respostas. Eu havia falhado. Devia haver algum engano! Eu havia escrito exatamente o que o professor Whitson havia dito na aula. Então percebi que todos na classe haviam falhado. O que havia acontecido?

Muito simples, o professor explicou. Ele havia inventado tudo o que falou sobre o cattywampus. Aquele animal nunca havia existido, ou seja, toda a informação em nossas anotações estava errada. Nós esperávamos crédito por respostas erradas?

Desnecessário dizer, nós ficamos revoltados. Que tipo de teste era esse e que tipo de professor ele era?

Continue lendo no Ciensinando: O melhor professor que já tive [foto: ilco]

9 Comentários

Não é preciso ser um Sith Lord para disparar raios pelas mãos. Basta ficar no topo de duas bobinas de Tesla com um diferencial de até 4 milhões de Volts.

Claro que, para sobreviver a isso, também é necessário o detalhe de não esquecer de usar um traje metálico de corpo inteiro. A mesma ciência garante que a corrente passará pelo exterior do traje metálico, e não pelo interior do corpo dos Lords of Lightning.

Nikola Tesla ficaria orgulhoso, não apenas por esta aplicação de suas bobinas, mas porque a própria demonstração é uma variação das que ele já fazia há um século.

13 Comentários